fbpx
Pular para o conteúdo

Viagem para Índia – Grupo índia Incrível

Nossa Viagem para Índia

Nossa proposta aqui é fazer duas viagens para a Índia …

Uma em que você não precisa sair de casa … e outra em que visitaremos lugares maravilhosos em Fevereiro de 2.023 !

Explicando melhor … O Professor Robson faz viagens para a Índia há quase 30 anos, e tem uma experiência incrível !

Estamos montando um grupo que se reunirá através do zoom todas as semanas, para conversar sobre a cultura indiana, e a história de todos os lugares que visitaremos em Fevereiro de 2.023 !

Participar do grupo é gratuito, e não gera nenhum compromisso no sentido de fazer a viagem!! 

Caso você queira participar, basta enviar abaixo os seus dados:

    Grupo Índia Incrível
    
    Nome
    
    
    Whatsapp
    
    
    e-mail
    
    
     
    Viagem para Índia - Robson
     Robson Guia Chepkassoff Chaves despertou para os estudos sobre indologia em 1981 através do livro Soluções do eminente mestre Hridayananda Goswami. Em 1985 foi iniciado por ele em bhakti-yoga.
    Durante doze anos viveu em ashramas no Brasil e na Índia. Nesse período foi tradutor e revisor da editora Bhaktivedanta Book Trust por oito anos, tendo traduzido grandes obras como a Bhagavad-gītā e Śrīmad-Bhāgavatam. Fez também curso de especialização em língua sânscrita e literatura védica pelo Vaishnava Institute for Higher Education na Índia.
    Na área acadêmica tem licenciatura em Letras com proficiência em língua inglesa, pós-graduação em Ensino de Literatura e Língua Portuguesa e formação em ioga pela FMU.
    Desde 1986 tem atuado como palestrante e instrutor de ioga, sânscrito, indologia e acompanhante de grupos de viagem para a Índia. Foi cofundador do Restaurante e Espaço Cultural Govinda’s em Santos.
    Viagem para Índia - Fábio Almagro
    Fábio Almagro é o idealizador e gestor do Espaço Arjuna.
    Após muitos anos no mercado corporativo como analista de sistemas e professor universitário, começou a sua jornada de auto conhecimento e sua relação com a cultura indiana.
    Defensor do vegetarianismo, culinarista e meditante, Fábio Almagro fez a formação em Psicanálise, Biopsicologia, Pnl, Yoga, Ayurdeva e Yoga Massagem Ayurvédica.
    Seu registro junto a Yoga Alliance como E-RYT 500 pode ser visto neste link.
    Fábio Almagro também atende consultas de Ayurveda e conduz os Panchakarmas do Espaço Arjuna.

    ROTEIRO INDIA INCRÍVEL – Viagem para Índia 

    DÉLHI. UDAIPUR. RANAKPUR. JAIPUR. AGRA. HARIDWAR. RISHIKESH.

    Início na Índia:  Fevereiro de 2023   Duração: 14 dias / 13 noites

    1º DIA – DÉLHI

    Assistência na chegada do aeroporto, transferência para hotel e encontro do grupo

    Check-in no hotel a partir do meio-dia

    Pernoite no hotel

    Viagem para Índia- Nova Deli

    Délhi – a capital e terceira maior cidade da Índia, é uma fusão de antiguidade e modernidade. Situada ao longo do lado oeste da planície gangética, a capital Délhi revela um quadro rico de cultura, arquitetura e diversidade humana, imersa em história, monumentos, galerias, jardins e espetáculos exóticos. Consistindo em duas partes contrastantes, porém harmoniosas, a Velha e a Nova Délhi, a cidade é um eixo central no Norte da Índia.

    Existiram oito cidades designadas Délhi, contíguas ou não, desde a primeira chamada Indraprastha, até a atual Délhi. No século XII foi capturada e se tornou capital do estado muçulmano. Mais tarde foi saqueada e, em 1.526, caiu em poder do mogul Babur. Em 1.803 passa para a posse dos ingleses, mas foi governada por imperadores moguis até 1.857.

    Nova Délhi, projetada pelo arquiteto britânico Edwin Lutyens, é conhecida por seus bulevares amplos e cercados por árvores e por ser sede de diversas instituições e monumentos nacionais. Desde 1.947 é a capital do país.

    Existiram oito cidades designadas Délhi, contíguas ou não, desde a primeira chamada Indraprastha, até a atual Délhi. No século XII foi capturada e se tornou capital do estado muçulmano. Mais tarde foi saqueada e, em 1.526, caiu em poder do mogul Babur. Em 1.803 passa para a posse dos ingleses, mas foi governada por imperadores moguis até 1.857.

    Nova Délhi, projetada pelo arquiteto britânico Edwin Lutyens, é conhecida por seus bulevares amplos e cercados por árvores e por ser sede de diversas instituições e monumentos nacionais. Desde 1.947 é a capital do país.

    2ª DIA – DÉLHI

    Café da manhã no hotel

    City tour

    Visita ao Qutub Minar e Mausoléu de Humayun

    Visita ao templo Akshardham

    Pernoite no hotel

    Viagem para índia-

    Durante esta manhã faremos um tour de ônibus com guia local pela Nova Délhi, passando ao longo do India Gate (Portal da Índia), Rashtrapati Bhavan (Palácio Presidencial) e edifícios governamentais.

    India Gate (Portal da Índia) – homenageia os soldados indianos que perderam suas vidas na I Guerra Mundial e nas Guerras Afegãs e encontra-se no coração de Nova Délhi. Os nomes de todos estes soldados estão inscritos nas paredes do monumento. Com 42 metros de altura, este portal situa-se na confluência de diversas ruas importantes e é um dos destinos preferidos das famílias de Délhi durante os dias festivos.

    Rashtrapati Bhavan (Palácio Presidencial) – fica localizado na região central de Nova Délhi e é um edifício da época colonial. Serviu como residência para os vice-reis britânicos até 1950. Nesse mesmo bairro encontram-se o Parlamento, os edifícios das Secretarias de Estado, as Embaixadas e outros prédios governamentais.

    Qutub Minar – Monumento que data do séc. XII, Qutub Minar é o minarete de tijolo mais alto do mundo e um importante exemplo de arquitetura indo-islâmica. Foi declarado Patrimônio Mundial da Unesco em 1993. Ele mede 72,5 metros de altura, e o diâmetro de sua base mede 14,3 metros. Marca o local do primeiro reino muçulmano no Norte da Índia. Dentro desse sítio arqueológico, podem-se encontrar vários edifícios históricos. Dentre estes o mais importante é um pilar de ferro do séc. IV, feito como uma coluna de bandeira em honra ao Deus Vishnu, a qual resistiu à destruição do tempo sem enferrujar mesmo após 1.500 anos.

    Mausoléu de Humayun – é o mais antigo mausoléu mogul de Délhi e uma das mais extraordinárias construções históricas da cidade. Foi mandado construir pela viúva de Humayun em 1565 em honra do seu marido. Considerado pela Unesco como parte do patrimônio mundial, a sua importância arquitetônica-paisagística é vista, sobretudo, no fato de ter fundamentado a concepção que une mausoléus a jardins, que posteriormente se consolidou definitivamente no Taj Mahal.

    Templo Akshardham – situado do outro lado do rio Yamuna, este templo, que é o maior templo hindu do mundo, é dedicado a Bhagwan Swaminarayan, um famoso mestre indiano que viveu no séc. XIX, e foi inaugurado em 2005. Planejado de acordo com textos védicos milenares, ele exibe uma mescla de estilos arquitetônicos de toda a Índia. O templo principal no centro do complexo tem quase cinquenta metros de altura. Dentro do monumento, sob a cúpula central, há uma imagem dourada de Swaminarayan, cercada pelos gurus da seita. O prédio em si foi inteiramente construído em arenito rosa do Rajastão e mármore de Carrara e não utiliza aço nem concreto. O trabalho foi executado por onze mil voluntários e artesãos, que apenas em cinco anos esculpiram cerca de trezentas mil pedras, com vinte mil figuras em relevo, e criaram esse complexo extraordinário! Sua altura e localização às margens do Yamuna faz com que seja visto de longe, e seus detalhes esculpidos de flora, fauna, dançarinos, músicos e divindades a cobrir sua superfície de alto a baixo, deixam os visitantes estupefatos.

    3º DIA – VOO DELHI-UDAIPUR

    Café da manhã no hotel

    Voo para Udaipur

    Check-in no hotel

    Pernoite no hotel

    Viagem para Índia- 02o dia

    Udaipur – Cidade de conto de fadas, com palácios de mármore e lagos rodeados por montanhas. Udaipur foi fundado por Maharaja Udai Singh em 1559 e se tornou capital de Mewar. A dinastia dos governantes de Mewar remonta ao ano de 566. Totalmente independentes, eles recusaram alianças matrimoniais com os moguis e tinham muito orgulho de ser grandes defensores da honra dos rajputs. A cidade é dominada pelo City Palace, voltado para o Lago Pichola, com seus românticos palácios em ilhas. Palacetes pitorescos, escadarias, balneários e templos se alinham à beira do lago, tendo por trás os bazares movimentados da antiga cidade murada.

    4º DIA – UDAIPUR

    Café da manhã no hotel

    Visita ao City Palace, templo Jagdish e passeio de barco no Lago Pichola

    Pernoite no hotel

    City Palace – Em Udaipur, o City Palace fica na margem leste do Lago Pichola. É uma combinação fascinante da arquitetura militar rajput com técnicas decorativas de estilo mogul. Sua fachada austera como a de um forte tem por cima diversos balcões, cúpulas e torres, e já foi descrita como um bolo simples e massudo, coberto com um glacê fantástico. Maior palácio do Rajastão, que cobre uma área de vinte mil metros quadrados, o City Palace é na realidade um conjunto de palácios construídos ou acrescentados por vinte e dois marajás entre os séculos XVI e XX. Agora, boa parte se transformou em museu; e quase todo o restante é ocupado por hotéis de luxo.

    A parte mais antiga do complexo do City Palace data de 1.568. Por trás do muro fortificado há um labirinto de aposentos reais, salões de recepção e pátios. Tudo está interligado por passagens estreitas e lances de escada – uma característica dos palácios rajputs desse período, com o propósito de confundir os invasores. O excelente museu City Palace ocupa diversos palácios desta seção.

    5º DIA – VISITA A RANAKPUR

    Café da manhã no hotel

    Visita ao templo jainista de Ranakpur

    Pernoite no hotel

    Ranakpur – Instalado em um isolado vale verdejante das montanhas Aravalli, o complexo de templos de Ranakpur, do século XV, dominado pelo grande Templo de Adinatha, é um dos cinco lugares mais sagrados da fé jainista. A escala e a leveza arquitetônica do templo de mármore branco, talvez o distingam como o exemplar mais impressionante da arquitetura sacra da Índia Ocidental. O templo possui uma planta incomum de quatro lados, com quatro entradas separadas. Cada uma leva a uma verdadeira floresta de colunas e a diversos salões e capelas com belos adornos, até o santuário central, que contém uma imagem de quatro lados de Adinatha. Cada um dos 1.444 pilares do templo é entalhado com desenhos diferentes de temas florais, e o jogo de luz e sombra sobre esses pilares, conforme o sol se move diariamente de leste para oeste, é um dos destaques do monumento. Também impressionam os sofisticados entalhes filigranados nos pendentes concêntricos do teto e a graça exuberante das deusas que formam os suportes.

    Um muro culminando com pequenas torres, circunda este sereno complexo, que também abriga um templo do Sol hindu e mais dois templos jainistas. Destes, o Parshvanatha, do século XV, se destaca pelo trabalho rendilhado das janelas.

    Em Ranakpur, o exterior sem entalhes do Templo de Adinath, contrasta com a profusa decoração interior. Isso simboliza a crença jainista na insignificância das formas exteriores e a importância de uma rica vida interior.

    6º DIA – VIAGEM UDAIPUR-JAIPUR

    Café da manhã no hotel ou no caminho

    Check out no hotel

    Ida a Jaipur de trem

    Check in no hotel

    À tardinha visita ao templo Birla

    Pernoite no hotel

    Jaipur (Cidade da Vitória) – Situada no semi-árido estado de Rajastão, esta cidade foi construída em 1727 por Maharaja Jai Singh II e dispõe de um traçado geométrico de ruas e praças, de acordo com o milenar sistema védico de arquitetura e urbanismo chamado Vastu-shastra. Muitas vezes chamada de “cidade rosada”, em razão da pintura de seus prédios importantes, Jaipur é um labirinto fascinante de bazares, palácios suntuosos e locais históricos.

    Templo Birla – Construído em 1988 pela família Birla todo em mármore branco, este templo é dedicado ao Deus Vishnu e sua esposa Lakshmi. No templo existem vitrais com cenas da mitologia hindu, esculturas de divindades e no altar-mór encontram-se as imagens de Vishnu e Lakshmi entalhadas numa só peça de mármore. Como evidência do liberalismo hindu, em suas paredes estão esculpidas imagens de avataras, santos e profetas, tais como: Cristo, Zaratustra, Buda, Confúcio etc.

    7º DIA – JAIPUR

    Café da manhã no hotel

    Durante o passeio, parada para fotos no Hawa Mahal – o Palácio dos Ventos

    Visita ao Forte Amber com passeio de elefante

    Visita ao City Palace e Jantar Mantar

    Pernoite no hotel

    Hawa Mahal (Palácio dos Ventos) – Caprichoso acréscimo ao rico repertório do Rajastão, o excêntrico Hawa Mahal foi erguido em 1799. A fachada rosada e ornamentada se tornou o ícone da cidade. A edificação, com janelas e balcões em camadas que se projetam e com telas vazadas, tem altura de cinco andares, mas apenas um salão de profundidade. Construída de calcário e argamassa, a estrutura foi projetada desse modo para permitir que as senhoras do harém observassem as cenas da rua abaixo, sem serem notadas. Dedicado a Krishna, este palácio, visto de longe, parece com a Sua coroa.

    Forte Amber – Este forte foi a cidadela Kacchawaha até 1727, quando a capital se transferiu a Jaipur. A fortaleza foi erguida em 1592 sobre as ruínas de um velho forte do séc. XI, mas os diversos prédios acrescentados por Jai Singh I constituem as principais atrações. A entrada principal para o histórico forte é pela imponente Suraj Pol (Porta do Sol), que está voltada para o sol nascente, emblema da família real. Além disso, encontram-se pátios, templos, jardins, pavilhões e um belo lago.

    City Palace (Palácio Municipal) – ex-residência real, este palácio abrigou os governantes de Jaipur desde seu início. Hoje, parte do complexo é aberta à visitação, onde fica o Museu City Palace. O acervo, que inclui pinturas em miniatura, manuscritos, tapetes, instrumentos musicais, trajes reais e armamentos, oferece uma bela introdução ao passado de Jaipur como principado e a seu artesanato fascinante. Destacam-se no museu dois gigantescos vasos de prata, os maiores objetos de prata do mundo, que levaram a água sagrada do Ganges para a viagem que Madho Singh II fez a Londres em 1901.

    Jantar Mantar (Observatório Astronômico) – Este é o maior e o mais bem conservado dos cinco observatórios construídos na Índia por Jai Singh II. Astrônomo entusiasta, Jai Singh mantinha-se a par dos estudos mais recentes da astronomia mundial. Seus 16 instrumentos lembram um grupo de esculturas gigantescas. Alguns deles ainda são usados para prever o nível de calor dos meses de verão, a data possível da chegada, duração e intensidade das monções e a possibilidade de inundações e de escassez de comida. Em 2010 o local foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

    8º DIA – VIAGEM JAIPUR-AGRA

    Café da manhã no hotel

    Ida a Agra de veículo

    No caminho visita a Fatehpur Sikri

    Check-in e pernoite no hotel

    Fatehpur Sikri – Fundada pelo imperador Akbar entre 1571 e 1585, em homenagem a Salim Chishti, famoso santo sufi, Fatehpur Sikri foi a capital mogul por catorze anos. Ótimo exemplo de cidade murada mogul, possui áreas públicas e privadas bem definidas e portas imponentes. Sua arquitetura, uma mistura de estilos hindu e islâmico, reflete a visão secular de Akbar, assim como seu estilo de governo. Depois que a cidade foi abandonada (dizem que por falta de água), muitos de seus tesouros foram pilhados. O complexo real de Fatehpur Sikri contém os espaços públicos e privados da corte de Akbar, que incluíam o harém e o tesouro.

    9º DIA – AGRA

    Café da manhã no hotel

    Visita ao Forte Agra e Taj Mahal

    Pernoite no hotel

    Agra – Foi o Taj Mahal que em última análise colocou Agra, sua cidade natal, no mapa do mundo. É um epítome da arquitetura mogul dos séculos XVI e XVII da então capital da dinastia mogul da Índia. Agra tem um significado especial para os moguis por alguns motivos: O imperador Babur, o fundador da dinastia estabeleceu os primeiros jardins persas às margens do rio Yamuna. Akbar, o terceiro imperador e neto do fundador, conceituou e estabeleceu a fundação do gigantesco Red Fort. Seus sucessores, Jahangir e Xá Jahan levaram a construção adiante e acrescentaram os palácios em arenito, jardins, mesquitas, palácios e pavilhões em mármore para audiências pública e privada.

    Forte Agra – o Forte Agra contém vários salões de audiência pública e privada e outros palácios. Xá Jahan passou muitos anos confinado aqui nas mãos de seu filho Aurangzeb. Apenas desse forte ele avistou o Taj Mahal pronto, pois foi preso pelo próprio filho.

    Taj Mahal – Um dos monumentos mais famosos do mundo, o Taj Mahal foi construído pelo imperador mogol Xá Jahan, em memória de sua esposa favorita, Mumtaz Mahal, que morreu em 1631. Este grandioso túmulo-jardim, uma imagem islâmica do jardim do paraíso, custou quase 41 milhões de rúpias e 500 kg de ouro. Cerca de vinte mil operários, vindos da Pérsia, Turquia, França e Itália, trabalharam doze anos para terminar este “Poema do Amor em Mármore”. O impecável revestimento de mármore, embelezado por requintados desenhos, é uma amostra do grau de refinamento estético que atingiu o auge do reinado de Xá Jahan. Incrustado com pedras preciosas e semipreciosas, como lápis-lazúli, turquesa e malaquita, suas paredes de mármore revelam formas de tulipas, lírios, íris, papoulas e narcisos, que surgem retratados em ramos ou padrões arabescados.

    10º DIA – VIAGEM AGRA-DÉLHI-RISHIKESH

    Café da manhã no hotel

    Viagem de trem para Rishikesh

    Check-in e pernoite no hotel

    Rishikesh – Situada na confluência do Chandrabhaga com o Ganges, Rishikesh é o ponto inicial da sagrada rota de peregrinação dos Himalaias. É considerada uma das cidades sagradas da Índia porque é a primeira cidade por onde o Ganges passa ao descer dos Himalaias e também porque, desde a mais remota antiguidade, muitos sábios têm meditado e vivido aqui. Diz a tradição que o Senhor Rama junto com seu irmão Lakshman esteve aqui para realizar penitências. Possui diversos ashrams (eremitérios) famosos, que oferecem cursos sobre os milenares sistemas indianos de yoga. Ao Norte da cidade há duas pontes suspensas sobre o Ganges: Rama Jhula e Lakshman Jhula. Rishikesh tem hoje uma população permanente de 75.000 habitantes. Seus famosos ashrams, escolas de yoga, restaurantes e hotéis se localizam, na maior parte, entre as duas pontes.

    O sagrado rio Ganges flui através de Rishikesh. É neste ponto que o rio deixa as montanhas dos Himalaias e segue por toda a planície do norte da Índia. Hoje, Rishikesh se tornou um centro de ensinamento e estudo em yoga e meditação – o renomado método indiano de saúde física e mental.

    11º DIA – RISHIKESH

    Café da manhã no hotel

    Visita a templos e ashrams

    Pernoite no hotel

    Rishikesh – Neste dia faremos um passeio pela cidade, visitando templos, ashrams e escolas de yoga. Também teremos tempo livre para realização de massagens ayurvédicas.

    12º DIA – VISITA A HARIDWAR

    Café da manhã no hotel.

    Ida a Haridwar para assistir cerimônia de adoração ao Ganges

    Pernoite no hotel.

    Haridwar – O Ganges, rio mais sagrado da Índia, desce do Himalaia e inicia em Haridwar sua jornada pela planície. Isso confere à cidade uma posição inigualável, que faz dela um ponto de peregrinação, sonho de todo hindu devoto. Sua atração mais famosa é o próprio Ganges, com diversos tanques, gates (balneários) e templos, onde os hindus realizam seus rituais para salvação dos antepassados e sua própria expiação. Centenas de pessoas assistem à cerimônia de adoração ao Ganges todos os fins de tarde num balneário do rio chamado Hari-ki-Pauri, local sagrado para os hindus por conter a pegada do Senhor Vishnu. Nessa cerimônia eles oferecem barcos feitos de folhas, carregados com flores, incensos e lamparinas, que são soltos no Ganges.

    13º DIA – RISHIKESH-DÉLHI

    Café da manhã no hotel

    Ida de Rishikesh para Délhi de trem

    Check in e pernoite no hotel

    Trem – Nesta tarde voltaremos para Délhi num típico trem indiano. Herança do período britânico, a rede ferroviária da Índia cobre todo o país e é também a maior empregadora do mundo, com mais de um milhão de funcionários.

    14º DIA – DÉLHI

    Café da manhã no hotel

    Check-out no hotel ao meio-dia

    Término do roteiro curto

    Fim do nosso serviço.

    Trem – Nesta tarde voltaremos para Délhi num típico trem indiano. Herança do período britânico, a rede ferroviária da Índia cobre todo o país e é também a maior empregadora do mundo, com mais de um milhão de funcionários.

    HOTÉIS

    • Délhi – Royal Plaza Hotel
    • Udaipur – Mahendra Prakash Hotel
    • Jaipur – Four Points by Sheraton
    • Agra – Radisson Blue
    • Rishikesh – Aloha on Ganges
    • Delhi – Divine Resort

    Observações: Esses hotéis não são definitivos, pois dependem de ter disponibilidade. Mas eles servem de parâmetro de padrão.

    Check-in e check-out de todos os hotéis é ao meio-dia.

    DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA:

    • Passaporte com validade de pelo menos seis meses a partir da data de entrada na Índia.
    • Certificado internacional de vacina contra febre amarela.
    • Visto para Índia.

    O ROTEIROS INCLUI:

    • Reuniões preparatórias da viagem.
    • Hospedagem nos hotéis mencionados ou do mesmo padrão.
    • Café da manhã.
    • Todas as transferências citadas no roteiro.
    • Todas as viagens de veículo, avião e trem citadas no roteiro.
    • Todos os passeios citados.
    • Ingressos de todos os eventos citados no roteiro.
    • Gorjetas básicas para guia, motorista e assistente.
    • Guia de turismo local falando espanhol.
    • Assistência de um acompanhante brasileiro.

    O ROTEIRO NÃO INCLUI:

    • Passagens aéreas de São Paulo a Délhi e de Délhi a São Paulo.
    • Despesas para retirar passaporte, visto da Índia, seguro etc.
    • Passeios não descritos no roteiro.
    • Refeições não mencionadas no roteiro.
    • Despesas pessoais, tais como: ligações telefônicas, lavanderia, passeios extras etc.
    • Despesas com excesso de bagagem.
    • Gorjetas não especificadas.
    • Tudo o que não esteja explicitamente declarado como incluso no roteiro.